DOSIMETRIA RUÍDO – DILIGÊNCIA PERICIAL – FONTE DE RUÍDO

ruido

DOSIMETRIA RUÍDO – DILIGÊNCIA PERICIAL – FONTE DE RUÍDO – Exposição em postos variáveis – empregado aciona a fonte geradora

Na DOSIMETRIA de Ruído nas Diligências Periciais, no caso dos postos variáveis de exposição e quando o empregado aciona a fonte geradora, estaremos diante da necessidade de um tipo de prova – Depoimento pessoal ou testemunhal –  prevista no §3° do artigo 473 do CPC sem ferir o Princípio do Direito ao contraditório?

Continuar lendo

HIGIENE OCUPACIONAL APLICADA EM SOLDAGEM

risco-radiacao

HIGIENE OCUPACIONAL APLICADA EM SOLDAGEM

No curso de Perícia Judicial do Trabalho em Goiânia tive o prazer de conhecer o jovem Engenheiro de Segurança do Trabalho Renner Augusto Alves Lima.

À época conversamos sobre os riscos existentes nos processos de soldagem que deveriam ser verificado nas Diligências Periciais.

Hoje, quase seis meses depois “intimei” o Renner sobre  o assunto e ele me enviou o material – e me autorizou – que agora disponibilizo para todos os ex-alunos do Curso de Perícia Judicial do Trabalho e para os futuros alunos que passarão a receber esse material no MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO DE PERÍCIA JUDICIAL DO TRABALHO.

Faça o Download do material – clique aqui>>>  higiene-ocupacional-aplicada-ao-setor-de-soldagem

Bons estudos.

Zeca berbes

EPI – EFICAZ – ADEQUADO – TESTE DE EFICÁCIA

Na hora de comprar um EPI o gestor de SST pede ao comprador que compre um EPI – a exemplo o protetor auricular e Protetor Respiratório – e na ordem de compra descreve:

Os Equipamentos acima relacionados devem apresentar as seguintes Características Técnicas:

– EFICÁCIA

– ADEQUAÇÃO

Agora o comprador volta até o gestor e pergunta: O que é eficácia? O que é um EPI adequado?

Continuar lendo

PRIORIDADE NA AVALIAÇÃO, NO MONITORAMENTO E CONTROLE DOS RISCOS NO PPRA.

O item 9.3.1 da NR-09 estabelece as FASES – ETAPAS –  DO PPRA e o estabelecimento de prioridades e metas de avaliação e controle

9.3.1 O Programa de Prevenção de Riscos Ambientais deverá incluir as seguintes etapas:
a) antecipação e reconhecimentos dos riscos;
b) estabelecimento de prioridades e metas de avaliação e controle;
c) avaliação dos riscos e da exposição dos trabalhadores;
d) implantação de medidas de controle e avaliação de sua eficácia;
e) monitoramento da exposição aos riscos;
f) registro e divulgação dos dados
O Estabelecimento de Prioridades e Metas de Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais é a matéria do nosso estudo de hoje.

Continuar lendo

CIPA – TREINAR A CIPA NÃO É PARA AMADORES

ZECA

TREINAR A CIPA NÃO É ATIVIDADE PARA AMADORES

É lamentável o que os amadores estão fazendo atualmente com a CIPA.

E por essa e outras razões se pergunta tanto: Porquê as CIPAs não funcionam ou o Quê fazer para uma CIPA funcionar?

E para responder a essas perguntas tenho visto uma série de discursos filosóficos; acadêmicos e até religiosos (SIC), tentando explicar aquilo que é cristalino para os profissionais que, de fato, entendem dessa “instituição” de fundamental importância para a Prevenção de Acidentes e Doenças no Trabalho

Continuar lendo

LEGISLAÇÃO TRABALHISTA X LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA – CONFUSÃO

 esocial    PPRA

PPRA X PPP X PREVIDÊNCIA SOCIAL: Os profissionais de Saúde e Segurança do Trabalho devem ter um mínimo de conhecimento para entender as diferenças entre o que é Direito do Trabalho e Direito Previdenciário; para atender as necessidades de seus clientes e de seus empregadores no exercício da profissão. Saber que são ordenamentos jurídicos diferentes e que buscam direitos distintos para os trabalhadores.

Continuar lendo